Charlie Hebdo, a liberdade de imprensa

O jornal satírico francês Charlie Hebdo foi hoje alvo de um ataque perpetrado por dois homens armados. Pelo menos 12 pessoas morreram, incluindo alguns dos cartoonistas responsáveis pelas sátiras semanais e o director da publicação, para além de dois polícias. Dez pessoas foram feridas.

Os pormenores conhecidos até agora podem ser lidos na BBC, que tem – como sempre – um dos melhores relatos do acontecimento. Por aqui, vale a pena recordar que este não é o primeiro ataque à redacção do Charlie Hebdo, alvo de uma bomba em 2011. O semanário ganhou destaque em 2006, quando republicou os polémicos cartoons sobre o profeta islâmico Maomé do jornal dinamarquês Jyllands-Posten.

As notícias hoje conhecidas descrevem que os responsáveis pelo ataque terão gritado frases a defender Alá.

Em Paris, estão a reunir-se na Place de la République vários jornalistas, milhares de pessoas. Os ataques violentos à liberdade de imprensa não são inéditos em França. Ainda em Novembro de 2013, um homem armado invadiu e disparou na redacção do Libération, atingindo um fotógrafo do jornal.

As manifestações de choque e apoio ao Charlie Hebdo estão a surgir um pouco por todo o mundo (#jesuischarliehebdo). O Expresso divulgou uma breve mensagem de solidariedade que resume bem o acontecimento e a forma como a notícia está a ser recebida pelos jornalistas, esta classe (tantas vezes considerada corja) que é capaz de dar tudo, até a vida, pelo dever maior da informação.

Screen Shot 2015-01-07 at 15.40.11

E porque a melhor forma de recordar os colegas do Charlie Hebdo é não deixar cair o seu trabalho, ficam algumas imagens com que o jornal agitou as águas nos últimos anos e relatos que as redes sociais se encarregaram de divulgar.

Meilleurs vœux, au fait. pic.twitter.com/a2JOhqJZJM

— Charlie Hebdo (@Charlie_Hebdo_) January 7, 2015

São escolhas.

O PSD Madeira decidiu vedar o acesso às suas sedes. Ficam impedidos de entrar animais (até aqui tudo bem), não militantes (são escolhas…) e jornalistas (?).

Untitled

Será que daqui a uns tempos também vai ser preciso autorização especial para aterrar no arquipélago?

As lições de liderança de Nelson Mandela

Para além do activista
Executive Digest, Dezembro 2013
Tema de capa

“Como contar a história de uma das mais marcantes figuras do século XX? Os seus feitos são amplamente conhecidos. A resistência de 27 anos na prisão pelo ideal da liberdade é um exemplo irrefutável. Mas a vida de Nelson Mandela revela mais do que o activista, o político, o pai, o libertador do povo sul-africano. Madiba é também – e talvez sobretudo – o líder e os seus 95 anos contam inúmeras lições aos gestores de hoje.”

ED#93_hi

Política Agrícola Comum 2014-2020

«Estão asseguradas as condições para manter o actual dinamismo e ritmo de crescimento»
Entrevista a José Diogo Albuquerque, secretário de Estado da Agricultura 
Executive Digest, Dezembro 2013

“A poucas semanas de entrar em vigor a Política Agrícola Comum para 2014-2020, José Diogo Albuquerque, secretário de Estado da Agricultura, explica de que forma é que o Governo negociou a nível europeu para garantir condições de financiamento capazes de «continuar a aumentar a produção, aumentar as exportações e tornar a agricultura uma opção cada vez mais atractiva para os jovens».”