30 antes dos 30: The Revenant

The Revenant (2015)

Uma história sobre um pai e o seu filho que se perdem um do outro no meio das lutas entre exploradores e indígenas, nos primórdios da América dos anos 1820. Qualquer sinopse não faz jus a The Revenant, o filme ambicioso, poético e contemplativo de Alejandro G. Iñarritu, que mostrou ao mundo o actor que Leonardo DiCaprio sabe ser.

As fagulhas alaranjadas de uma fogueira sobem ao encontro das copas das árvores escuras, finas e altas. Por trás, um céu que escureceu não há muito tempo. Hawk (Forrest Goodluck) está deitado de costas para a terra, as lágrimas escorrem-lhe pelo rosto. Os sons da fogueira a crepitar pintam aquela imagem. É tudo profundamente bonito.

Alejandro G. Iñarritu , ao vencer o Oscar pela realização de The Revenant, agradeceu aos actores a confiança que nele depositaram. Na verdade, só com grande confiança foi possível fazer este filme.

Leonardo DiCaprio é Hug Glass, personagem inspirada no caçador de peles dos anos 1820 que se diz ter sobrevivo ao ataque de um urso fêmea, a proteger as crias. Glass terá andado mais de 100 quilómetros desde o momento em que foi abandonado por membros da sua expedição que o julgavam quase morto, até reencontrar o grupo. Alejandro G. Iñarritu e Mark L. Smith ficcionaram o resto do argumento, criando uma relação familiar como mote do esforço hercúleo de Glass para sobreviver. É que Fitzgerald (Tom Hardy, quase irreconhecível no papel) matou-lhe o filho, Hawk, quando Glass estava ferido e não pôde defendê-lo. O filho era a única coisa que tinha na vida, diz.

Percebe-se que Iñarritu tenha colocado uma relação familiar como catalisador do desejo de vingança de Glass – que procura Fitzgerald para saldar a dívida. É que a simples sede de vingança não parece ser digna desta personagem. Mas uma espécie de justiça dívida (que chega no final: Powaqa) já lhe assenta na pele.

 

A odisseia de The Revenant

Alejandro G. Iñarritu arrancou com uma equipa, actores e figurantes sem fim para Alberta, no Canadá, para aí filmar The Revenant. Quis fazê-lo na sequência cronológica do filme, para que os actores se encontrassem com a viagem espiritual que as suas personagens atravessam na história.

Iñarritu e o director de cinematografia Emmanuel Lubezki decidiram também filmar apenas com luz natural. Impondo um ritmo ainda mais lento às gravações, a equipa demoraria várias horas a chegar aos locais das filmagens e teria pouco tempo útil para gravar com a luz ideal. Um factor de dificuldade acrescida foi o clima, já que as temperaturas negativas intensas provocaram problemas até nas câmaras. E porque a equipa estava no meio da natureza, entregue apenas à sorte de encontrar boas condições, estava sujeita a qualquer alteração climática. A subida da temperatura derreteu a neve e forçou uma paragem nas gravações e a deslocalização da equipa para a Antárctica, numa verdadeira odisseia de Iñarritu.

A dedicação de Leonardo DiCaprio ao projecto é inegável e é isso que se vê no resultado final, em que o actor se agiganta na sua missão de dar vida a Glass. DiCaprio é activista pela luta contra a exploração do planeta e dos recursos naturais pelo homem e percebe-se, por isso, que a história lhe seja particularmente próxima. É vegetariano mas, ainda assim, quando o realizador lhe apresentou um fígado de bisonte e uma versão gelatinosa parecida, DiCaprio escolheu trincar a primeira opção. Da mesma forma, comeu o peixe cru que a sua personagem conseguem apanhar com as próprias mãos.

Enquanto não podiam filmar, os actores ensaiavam. Por horas a fio, praticaram-se cenas como a batalha inicial em que os indígenas surpreendem o corpo de expedição. Esta cena é sangrenta e épica (faz lembrar o início de Saving Private Ryan), tem quase 10 minutos e está cheia pormenores intermináveis. O melhor? Tem a marca de Iñarritu: é quase uma sequência. E a câmara leva-nos directamente para dentro do campo de batalha.

Quando os actores rastejam, a câmara segue-lhes o passo. Acompanhamos os golpes que Glass desfere e vemos gotas de sangue salpicarem-lhe o rosto. Mergulhamos na água quando um índio tenta afogar Bridger (Will Poulter). Ao longo do filme, esta câmara é os nossos olhos. Cai sobre a terra, tem poeira e gotas de água do rio Missouri. Quando o urso avança sobre Glass e o atira contra as rochas, a câmara repete o movimento. Quando o cavalo em que o caçador foge dos índios corre a uma velocidade estonteante, a câmara segue-lhe a passada e nem nos apercebemos de que estava tão perto o precipício e que a queda era inevitável.

Esta câmara de Inãrritu é rápida e dinâmica, dá até voltas 360º (mostrando que tudo é um grande cenário natural), mas também se deixa pairar perante a imensidão da natureza. É nesse equilíbrio entre a rapidez e a contemplação que aquela natureza acaba por assumir-se como uma personagem da história, capaz de ser mais vil do que os homens, mas sendo ao mesmo tempo uma mãe onde os filhos podem descansar: DiCaprio rasga com uma faca o corpo do cavalo morto, retira as entranhas, despe-se e resguarda-se no interior da carcaça para sobreviver às temperaturas agrestes da noite.

O verde é muito rico, que a luz é hipnotizante, que as montanhas são infinitamente brancas. Essa é uma beleza que a cinematografia conseguiu captar na perfeição e que a qualidade de imagem soube respeitar fielmente. Mas só existe porque o realizador insistiu em demorar-se ali, para que os actores pudessem conviver com a natureza, sabendo da sua superioridade e tentando humildemente ocupar aqueles espaços. Para perceberem – e nos mostrarem – que ainda há sítios onde o homem não manda. Essas pausas estão no filme, precisamente quando o realizador introduz planos das árvores, das montanhas ou dos rios. E são de uma beleza arrebatadora. É como se Iñarritu os tivesse captado nos intervalos das filmagens. Como aqueles acasos bonitos, a que se chama poesia. (Só a subtileza de Ryuichi Sakamoto podia ser banda sonora desta poesia.)

Glass também a encontra na sua viagem. Perante as ruínas de uma igreja, de onde ainda pende um sino cerimonial, vê a imagem do filho. Depois de ter sido abandonado por um índio, que o ajuda a curar os ferimentos, Glass sonha com a mulher, morta numa daquelas batalhas.

É poesia. Alejandro G. Iñarritu chama-lhe espiritualidade, no documentário que acompanhou as filmagens e que fala precisamente sobre a exploração da natureza sem olhar a custos.

Ao aceitar o Oscar por The Revenant, Iñarritu agradeceu aos actores, com toda a justiça, porque sem eles não teria sido possível dar vida à sua visão. Com o seu inglês de sotaque mexicano, Iñarritu dedicou o galardão ao pai, lembrando uma das frases que Glass diz a Hawk: “Eles não ouvem a tua voz, só veem a cor da tua pele”.

Há quem queira resumir The Revenant a uma versão embelezada de um western. Mas o filme é mais do que uma guerrilha sangrenta entre homens barbudos; é uma história sobre um pai e o seu filho, que, sem terem nada, perderam tudo quando se perderam um ao outro.

The Revenant. Alejandro G. Iñarritu (2015)

Artigo publicado também em Sapo Mag

Advertisements

One thought on “30 antes dos 30: The Revenant

  1. Pingback: 30 antes dos 30: 21 Grams | Filipa Moreno

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.