30 antes dos 30: The Shawshank Redemption

Tim Robbins e Morgan Freeman em The Shawshank Redemption

“It was like some beautiful bird flapped into our drab little cage and made these walls dissolve away. And for the briefest of moments – every last man at Shawshank felt free.” Continue reading

30 antes dos 30: The Godfather

Marlon Brando em The Godfather (1972)

É apontado, com Citizen Kane (1941), como um dos melhores filmes de sempre. Mas a verdade é que um processo criativo tumultuoso não fazia adivinhar o sucesso que alcançou. O que determinou, então, que The Godfather tenha merecido a admiração de várias gerações? Continue reading

30 antes dos 30: Citizen Kane

Orson Welles em Citizen Kane (1941)

Quando Martin Scorsese diz que Orson Welles abriu a caixa de Pandora do cinema, fá-lo com uma manifesta admiração no olhar. Essa reverência é partilhada entre os seus pares. É que, em 1941, Citizen Kane inaugurou uma nova era e fê-lo de forma tão perfeita quanto definitiva. Em causa estavam a forma e o conteúdo daquele filme, embrulhados no olhar revolucionário de um jovem génio e entregue aos espectadores através daquela que se tornou a sua obra-prima. Continue reading

30 antes dos 30: Raging Bull

Martin Scorsese com Robert De Niro no cenário de Raging Bull, 1979

Num camarim, um homem declama um discurso sobre a vida. Refere clássicos da literatura, no seu inglês americano de sotaque italiano. Tem peso a mais, cabelo frisado e o nariz inchado. Traja de gala, mas parece desconfortável dentro do fato preto. Martin Scorsese apresenta-nos assim Robert De Niro no papel de Jake LaMotta, mas é difícil reconhecê-lo. A fama e a fortuna já lhe passaram há muito tempo. Raging Bull (1980) é a história da ascensão e queda de LaMotta e de como Scorsese andou a encontrar-se com o lado perigoso da vida. Continue reading

30 antes dos 30: Taxi Driver

Robert De Niro como Travis Bickle, Taxi Driver (1976)

Circula por aí uma lista de 39 recomendações de Martin Scorsese a um jovem cineasta que queria preencher as lacunas da sua formação. Que filmes lhe faltava ver?

A pergunta também me ocorreu. Quais os clássicos indispensáveis a quem está prestes a atingir uns respeitáveis 30 anos? À falta de Scorsese, traçou-se uma lista com as recomendações dos apreciadores de cinema mais à mão. “30 antes dos 30” é o mote (embora já sejam muito mais as recomendações na calha).

Scorsese não é só o ponto de partida deste desafio, mas também um dos nomes mais sugeridos. E nada mais justo que começar pelo filme que deu ao cinema uma das suas frases mais conhecidas. “Are you talking to me”, pergunta-nos Robert De Niro – a improvisar – na pele de Travis Bickle, um veterano do Vietname de olhar inflamado. Porque as memórias de guerra não o deixam dormir, percorre as ruas da Nova Iorque dos anos 1970 a planear como irá, um dia, limpar a cidade. A partir do seu táxi, Travis vai condenando a sujidade das ruas, a podridão dos vícios, o lado negro da condição humana. E espera pela chuva que, acredita, vai purgar as ruas. Continue reading