30 antes dos 30: The Grand Budapest Hotel

Se há realizadores que criam marcas inconfundíveis, Wes Anderson construiu toda uma linguagem própria. Dos actores à organização da história, com planos geométricos e cores saturadas… A fórmula deu, em 2014, The Grand Budapest Hotel, um dos melhores filmes do realizador americano, a que a New Yorker chamou “manifesto artístico”. É isso mesmo. Continue reading

Advertisements