30 antes dos 30: Último Tango em Paris

lat-nc17-lastta_i08h6lkf20120814130138

Ultimo Tango a Parigi (1972)

Controverso, estranho, repulsivo – Ultimo Tango a Parigi é talvez o filme que mais palco deu a Bernardo Bertolucci mas marcou mais pela polémica do que pelo valor como grande obra do cinema do século XX.

Marlon Brando e Maria Schneider dão vida ao filme de 1972, que as etiquetas do cinema viriam a cunhar como drama erótico. Brando é Paul, um americano que vela o suicídio da mulher em Paris, onde conhece a jovem Jeanne, interpretada por Schneider. Umas quantas ruas escuras depois, os protagonistas iniciam uma ligação sexual em que, como regra, não podem partilhar qualquer informação pessoal. A relação torna-se uma sucessão de encontros fortuitos, num tom quase obsessivo e seguramente tóxico, de duas pessoas que procuram um no outro a expiação dos seus fantasmas.

Continuar a ler