Henrique Neto, O Estratega

OEstratega_HenriqueNeto_FilipaMoreno

Escrevi um livro.

Escrevi a história de uma vida em tom político. Escrevi sobre um percurso que vale a pena conhecer.

A pretexto das presidenciais de 2016, Henrique Neto passou a ser conhecido de mais portugueses. Antes disso, sabia-se que era um dos mais fortes críticos de José Sócrates como primeiro-ministro, ele que até é militante do PS. Na indústria portuguesa, não só é conhecido como admirado.

Espero que este livro possa viver para lá das próximas eleições. Porque esta história de vida merece ser conhecida por muitos. Das origens humildes de uma família operária na Marinha Grande à militância comunista. Da ascensão a self-made man à construção de um império industrial português. Da proximidade a António Guterres ao mandato como deputado socialista. Das inúmeras cartas a Guterres, Sócrates, Jorge Sampaio e outros aos silêncios que quase sempre lhes sucediam. Das denúncias dos negócios ruinosos para o Estado à estratégia para o futuro de Portugal.

Perguntei-lhe várias vezes por que continua. O próprio partido não lhe dá ouvidos e trata-o como uma voz incómoda. Quando anunciou a sua candidatura, António Costa comentou a notícia com um mero “É-me indiferente”. Por que continua?

“Se o faz por espírito de missão ou por sentido de Estado, guarda‑o para si. Prefere falar em vaidade. Sim, há uma certa vaidade na visão estratégica que quer que Portugal siga, porque o tempo provou que as suas previsões estão, geralmente, correctas. E também aqui pode dar‑se o caso de ter razão. O mesmo tempo dotou‑o de alguma arrogância, mas não tem a veleidade de se achar acima de toda a verdade. A rectidão é uma das suas maiores conquistas. A frontalidade é uma inevitabilidade que lhe trouxe alguns dissabores.”

 

Advertisements

“Crimson Peak”, o romance gótico de Guillermo del Toro

Crimson-peak-Movie-2015
Publicado na Look Mag

Tem interpretações de luxo e um guarda-roupa victoriano que deixou deslumbrados os Storytailors, Luís Sanchez e João Branco. O novo filme de Guillermo del Toro passeia-se entre o romance, o terror e o drama psicológico. “Crimson Peal – a Colina Vermelha” chega às salas de cinema a 22 de Outubro.

O enredo não é inédito mas a reinvenção de Guillermo del Toro dá-lhe contornos únicos. Em “Crimson Peak”, o típico triângulo amoroso é protagonizado pela filha de um poderoso industrial americano, a aspirante a escritora Edith Cushing (Mia Wasikowska) e os irmãos Thomas (Tom Hiddleston) e Lucille Sharpe (Jessica Chastain). Ele é um inventor a tentar explorar a única riqueza que lhe resta, as reservas de argila acumuladas sob a sua desterrada casa britânica (fria e assustadora, como convém a qualquer filme de terror); ela é a sua fiel sombra e guardadora de todos os segredos da família.

O filme tem inspiração victoriana e faz lembrar os clássicos de Hollywood entretanto cristalizados. Para Guillermo del Toro, marca o regresso dos romances góticos ao grande ecrã, de onde tinha desaparecido há 30 anos. E chega com tudo o que os espectadores podiam esperar do realizador: grande intensidade dramática, uma qualidade estética única e actores de qualidade reconhecida com desempenhos emocionantes. A coroar a imagem de “Crimson Peak” está o guarda-roupa criado por Kate Hawley, que deixou rendida a dupla de estilistas Storytailors, fãs de Guillermo del Toro desde “O Labirinto do Fauno”.

Para Luís Sanchez e João Branco, este é um filme «esteticamente avassalador e violentíssimo». E o guarda-roupa está à altura. Confessam-se arrebatados pelas criações que vestem as personagens de Mia Wasikowska e Jessica Chastain.

Em entrevista à Look Mag para comentar o filme, explicam que o guarda-roupa não retrata a época da acção (passada na alta sociedade nova-iorquina e na Inglaterra do início do século XX) mas constitui uma reinvenção desse período. «Não são apenas réplicas ou retratos dos vestidos de época, há trabalho criativo» e «liberdade interpretativa» para tratar cada figurino consoante os traços das personagens. Valorizam a herança histórica, que vêem como correcta no filme, mas no seu trabalho preferem pensar no futuro em vez de privilegiar o saudosismo.

A carga dramática do guarda-roupa é acentuada pelos materiais e cores usados por cada personagem. Os Storytailors explicam porque Edith Cushing usa sempre cores claras, como o vestido rosa pálido com que se apresenta numa das principais cenas da primeira parte do filme, por ser a «cor do amor puro», ou o amarelo, uma cor mais alegre. Ao mesmo tempo, Lucille Sharpe traja de pretos e vermelhos acetinados, símbolos da paixão. Para os criadores, estereótipos como estes «têm de ser muito bem trabalhados, senão tornam-se clichés». Quando são usados como em “Crimson Peak”, têm a «capacidade extraordinária de emocionar» os espectadores.

Os estilistas também se sentem emocionados por denotarem no trabalho de Kate Hawley e Guillermo del Toro uma paixão distintiva. Identificam-se também com aquele trabalho por terem criado, há pouco tempo, um vestido de noiva para uma cliente que iria casar num castelo antigo de França, algo semelhante à casa onde se passa o enredo.

Tecnicamente, os elogios dos criadores portugueses continuam. Desde os materiais escolhidos para os vestidos às técnicas utilizadas para a sua construção, como é feito numa das primeiras peças com que Lucille Sharpe se senta ao piano: o trabalho detalhado e a estrutura das costas do vestido e a transparência das mangas são destacados pelos Storytailors.

Os que esperam um filme de terror vão encontrar em vez disso um drama psicológico. Mas há alguns fantasmas e muito sangue. “Crimson Peak” vale pela beleza estética única e cativante, pelas personagens arrebatadoras, pelo desempenho extasiante dos actores e pela combinação narrativa entre o fantástico e a vida real. Mestria de Guillermo del Toro.

O regresso do dissidente

Ai Weiwei no seu estúdio, em Pequim © Harry Pearce/Pentagram April 2015

Ai Weiwei no seu estúdio, em Pequim © Harry Pearce/Pentagram April 2015

Em 2011, Ai Weiwei passou 81 dias detido na China. Activista e crítico do governo do seu país, viu a libertação chegar com um preço elevado: o seu passaporte foi confiscado e não pôde viajar para outros países. Até agora. Ai Weiwei é a exposição que a Royal Academy of Arts apresenta em Londres e o motivo para que o artista tenha conseguido reaver a sua liberdade. Os olhos do mundo estão postos em Weiwei e na exposição homónima que é um evento único no mundo das artes e um marco político do nosso tempo.

Para ler na Viagens & Resorts de Setembro/Outubro (em breve nas bancas).

Aprender a motivar para liderar

Grandes comunicadores
Executive Digest, Agosto 2013
Tema de capa

“O líder deve ser um bom comunicador, capaz de captar o público e motivá-lo. São muitos os especialistas em comunicação organizacional que apontam para a necessidade de eloquência dos executivos de topo. Porém surgem, em diferentes esferas da sociedade, vários exemplos de personalidades que fogem àquela regra. Podem não suscitar a empatia do público a que se dirigem. É possível até que não sejam reconhecidos como oradores de excelência. Mas afirmaram-se com um estilo de comunicação próprio, que se tornou sua imagem de marca.”

ExecutiveDigest#89Capa

O outro lado da governação

11403031_10205316588248295_6160613374476004998_n

Recuperada pelo actual governo, a reforma da administração local foi polémica. Foi disruptiva. Foi corajosa. A reforma da administração local foi para a frente. Miguel Relvas, então ministro adjunto e dos Assuntos Parlamentares, e Paulo Júlio, o seu secretário de Estado da Administração Local e da Reforma Administrativa, contam como tudo aconteceu num relato que atravessa a história de Portugal e alguns dos tempos mais difíceis em que o Executivo de Passos Coelho teve de negociar a reestruturação da administração local com os técnicos da Troika.

Aqui encontram-se relatos pessoais, memórias das manifestações contra a reforma, as relações com o Partido Socialista e mesmo as dinâmicas dentro da coligação do PSD com o CDS-PP, os diálogos com a Associação Nacional dos Municípios Portugueses e com a ANAFRE.

O livro “O outro lado da governação” tem prefácio de José Maria Aznar e testemunhos de figuras como Marcelo Rebelo de Sousa, Luís Marques Mendes, Fernando Ruas, Pedro Santana Lopes.

Eu faço parte da coordenação editorial.